Prudência


Kaká descarta: não há orquestração nenhuma em trâmite ou consumada pela manutenção do mandato de Aguiar, na Alap.
“Tenho que agir dentro da lei, sem meter pés pelas mãos”, pondera o presidente.