Habitual



Chamar alguém de ‘ladrão’, assim na lata, que era ofensa em tempo atrás, virou coisa natural hoje em dia.
Aliás, já não perguntam quem roubou, mas, sim, ‘quem ainda não roubou’ —quando se referem às pessoas que seguem no páreo do poder, o político mais acentuadamente.