Se vivo, Barcellos certamente não aceitaria ‘beija-mão’ virtual, como ocorre nesses novos tempos (zap), em vez do tátil e nariz a nariz.