Negado



Como já era esperado após recomendação do MPF, Ibama rejeitou, embora em parte, estudos de impactos ambientais propostos pelas empresas Total, BP e Queiroz Galvão.
Adiando sine die exploração de petróleo e gás na Costa do Amapá.