Providências



Segundo Maurício Pereira, detento com celulares confessou no Ciosp que repasse foi feito por agentes penitenciários, mas não fulanizou.
Ele exige investigação rigorosa feita por gente de fora do Iapen pra “dar nomes aos bois”, por assim dizer.