Espera



Questão da 2ª instância, que causou um reboliço dos diabos país afora, com liminar explosiva de Marco Aurélio Melo, volta à discussão em abril, ano que vem.
O que, aliás, já estava pautado pelo presidente Tofolli (STF).