“Sem chance”



Camilo até reconhece que Davi no comando do Senado seria bom para o Amapá, “mas não seria bom para o Brasil”, pondera.
Por avaliar que o amapaense seria “ligado demais” ao PSL (partido do presidente), de quem já tem apoio declarado.