Consumado



Carmo Antônio (Tjap) enterrou mais uma esperança do vereador Ruzivan em fazer valer sessão que o elegeu presidente da CVM, em janeiro.
Ruzivan reclamava de prazos não respeitados em julgamento de embargos.
Mas não colou.