Instabilidade



Com prisão de Moisés e mais dois outros sob alça de mira (Favacho e Júnior), Alap vive clima de tensão —extensivo a servidores, pela insegurança no trabalho.

Em baixa



Verdade nua e crua: parlamentares fecham ano com mais baixos do que altos —em produção de conteúdo e no conceito da opinião pública.
Nem precisa consultar o Ibope.

Dúvida



Sem partido desde saída do PP, Papaléo ainda busca um novo porto seguro onde atracar barca.
Mas já balançando entre PSD e PSDB, me disse nesta quinta, 15.

Amém



Com pelo menos 315 servidores municipais integrados à folha da União, prefeitura de Clécio, desafogada, já respira mais aliviada.

Olho biônico



Enfim, governo e empresa Ativa System Brasil assinam contrato de serviço para vigilância monitorada nas escolas públicas do estado.

Economia



Novo contrato de vigilância, já vigorando, derruba custos de R$ 4 milhões para pouco mais de R$ 1 milhão por mês, garante secretária Goreth (Seed).

Moribunda



Ainda sob intervenção e com CNI não mais repassando dinheiro pra custeio mensal, logo sequer sem pagar funcionários, a Fieap agoniza.

Preterida



Ainda presidente, mandato de Jozi Araújo, na Fieap, termina em janeiro, ‘mas dificilmente se reelege’, preveem sindicatos —em conta, processos judiciais que correm contra ela.

Autodestruição



Se não botar logo pé no freio, que a Alap caminha célere para o brejo, todo mundo já está careca de saber.
Nem todos, mas nobres deputados só têm marcado gol contra, ultimamente.
Intolerável!

Mal a pior



Situação de Moisés, com respingos nos outros, fica bem mais delicada doravante, com reclamação no STF negada pelo ministro Celso de Mello.

Esperneio



Advogado Maurício Pereira não considera decisão de Celso de Mello como definitiva.
“Ele não conheceu a reclamação, por não ter percorrido outras instâncias, logo sem análise do mérito”, diz.

Filigrana



Maurício explica mais:
No caso do STJ, “o que se rejeitou lá foi um pedido de liminar, não HC, recurso ainda sob o nosso alcance”, adita o advogado.

Remédio



Sobre o cliente Edmundo Tork, também preso, Maurício Pereira entra com HC nesta sexta 16, mas na Corte Estadual (Tjap).
“E se provido, os benefícios sejam estendidos também aos demais co-réus”, explica.

Cabisbaixo



Quem tem ido ao Centro de Custódia conta: dos presos da Eclésia, lá, Edinho é o mais ‘abatido’ de todos, e o menos falante, inclusive.

Inversão



No Brasil varonil de hoje, bandidos, na grande maioria, vestem colarinho branco.
E, em menor proporção, também usam togas.
Quem diria …