No ritmo



Furlan fincou pé: pode até não ter aprovado o melody como bem cultural e imaterial, mas o enfiou como um importante componente da cultura amapaense.
Aí faz sentido.
Ou não, Marabaixeiras?