Vítimas de incêndio cobram moradias dois anos depois