Turbulência



Teles Jr. (Seplan) já prevê 2017 para o Amapá como um ano bem mais duro de roer do que o atual, pelo grau de endividamento do estado e se governo federal não afrouxar rédeas sobre forma de pagamento.