Desgraça



Se 2015 foi um ano osso duro de roer, idem 2016, que economistas já consideram um pouco pior do que aquele outro.
Que Deus nos livre de 2017!