Ceticismo



Miguel Brito (pai do agente assassinado): “Eu acredito na justiça de Deus, mas a justiça do homem é muito falha; eu não tenho perspectiva que esses criminosos vão ser julgados e condenados.”