Alto lá



Para barrar a farra de desembolsos milionários, o corregedor nacional de justiça, ministro Otávio de Noronha, tacou caneta: pagamento de verbas indenizatórias extraordinárias a magistrados de todo o país só poderão ser feitas com aval do CNJ.