Pergunta



“Mas o certo não seria a ponte ficar aberta as 24 horas do dia?”, indaga empresário que tem negócios entre Macapá e Caiena.