Pessimismo



Perguntei a Randolfe, em Brasília, recentemente, como está vendo o país, atualmente?
Resposta de bate-pronto: “Com péssimos olhos!”.

Mudez



Para Lula, falta gogó à gestão Dilma.
“Os ministros têm de falar. Mais parece um governo de mudos”, desabafou o ex-presidente, em solenidade petista, dia desses.

Aplausos



Nem Zico, distante de admiradores, apagou o brilho da festa de inauguração do novo gramado e da pista de atletismo do Zerão, sábado, 20.
E, cá pra nós, a Sedel fez justiça ao homenagear Ulisses Laurindo, um recordista com registro nos anais do atletismo mundial.

Cofre vazio



 

Quase 6 meses sem um canteiro de obras sequer, Setentrião, além de inquietar arquibancadas, passa a impressão de que anda com sério problema de caixa.

Distância



Brasil enxágua as mãos: agora mergulhado no exercício da cardiologia, não vai mais se lançar candidato.
Pelo menos foi o que me disse um íntimo dele, hoje, durante almoço;

Por um fio



 

Até Lula já começou a se afastar do alambrado, depois que o DataFolha revelou que Dilma já só tem minguados10% de aprovação daquele eleitorado que votou nela.

Patrimônio



Tendo o Melody como ‘pomo da discórdia’, Marabaixeiros nem precisam ficar de mal com Furlan, porque o Marabaixo já tem registro como um bem histórico e cultural de natureza imaterial.
Por lei de Roberto Góes, quando estadual, aprovada em 8 de setembro de 2008.

Limpa tudo



Infantaria de Clécio invadiu Fazendinha e arredores, hoje, em ação ‘full-time’ pra deixar balneário nos trinques para o Macapá Verão, à porta.

Recuo



Pra não criar desapreço com marabaixeiros magoados, Furlan não teve outra saída, hoje, na AL.
Com promessa de reavaliar iniciativa, retirou de pauta projeto que tornaria o Melody ‘patrimônio imaterial do Amapá’.
Se volta à carga ou não, só Deus sabe.

Caso Chagas



 

Promotor de justiça enquadra modelo em homicídio triplamente qualificado.

{mp4remote}/images/from/2015/abril/caso.mp4{/mp4remote}

Causa própria



 

Sarney: “Os políticos não fazem nada pelo bem da Reforma Política que venha significar prejuízo para a reeleição deles. Logo, que não se espere muito deles”.

Ameaça



Em telefonema sabe Deus pra quem, o que a PF ouviu de Marcelo Odebrecht antes de algemá-lo, na casa dele: 
“É para resolver essa lambança”, teria mandado dizer. “Ou não haverá República na segunda-feira.”