Maravilha



Dizem que o ipê só floresce em Brasília, por causa do clima seco, porém friorento.
Mas em Fortaleza, com quase 40 graus de sol a pino, já se vê árvores do tipo em praças e canteiros públicos.
E por que não também em Macapá, hein?

Superveniência



Retifico: WGóes não chegou a tomar voo na Gol até Brasília hoje, como previsto —apesar de viagem dada como consumada pelo secretário Jorge Amanajás, fonte consultada por volta das 4 da tarde de hoje.
Com indisposição intestinal teve que transferir agenda a cumprir em ministérios e também com o presidente Sarney, me disse o secretário Ubairara (Secom).
Diferentemente de Moisés (AL), que fica em Brasília até sexta, 23, em compromissos com a bancada federal, com quem também faz périplo por ministérios.

Discurso



É bom que todos estejamos preparados: anúncios de liberação de verbas para grandes obras no estado pode não passar de discurso —porque depende da caneta da Dilma, que ultimamente anda escasseando na tinta.

Desenvoltura



Cabuçu Borges surpreende positivamente: tem se revelado um tribuno e tanto na Câmara, em BSB. 
No último discurso pregou a união da bancada federal na defesa do orçamento impositivo.

Câncer



No frigir dos ovos, louros a quem os merece: Marcos Reátegui foi, sim, o responsável pela gestação da implantação da extensão do Hospital do Câncer no Amapá.
Há 9 meses, quando visitou o hospital, em São Paulo, a pretexto de conferir tratamento dispensado aos amapaenses lá internados por conta do TFD.

Barrigada



Desencontro de informações levam o zelo pela notícia ao cadafalso: ao contrário do que fonte – agora não mais confiável – assegurou, Moisés Sousa e Waldez não viajaram no mesmo voo a Brasília.
Presidente da AL foi sozinho, enquanto Waldez, adoentado, ficou em Macapá, mas contabilizando, com Teles Jr (Seplan) os prejuízos com mais cortes no FPE para o Amapá.

Trevas



Nosso Amapá, pelo andar das carruagens, tem muito ainda a contribuir para o noticiário policial do país – que, aliás, não fica nada a dever: Rádio Cipó anuncia mais uma grande operação no estado para os próximos dias. 
A conferir.

Crime



Não tem justificativa o tratamento dispensado aos idosos no Amapá: durante todo o ano de 2014 foram 222 casos, que resultaram em 10 óbitos. 
Até agosto deste ano, já são 241 ocorrências, com 48 mortes.

Vitrine



Eliane Supérti (Unifap) sacou bem: trouxe para o Amapá o neurocientista Miguel Nicolelis para ministrar palestra no Bacabeiras nesta quinta, 22.
Prenúncio de uma verdadeira aula de como cientistas brasileiros, radicados no exterior, podem contribuir para o desenvolvimento econômico e sociocultural de seu país natal.

Avestruz



Padre Paulo (Ijoma): “Ninguém pode tapar sol com a peneira. Governo passado pegou todos os doentes e colocou na beira do abismo, determinando: ‘olhem’ pro chão. O atual os empurrou de vez no abismo.”
Mais: — “Situação piorou de uma forma vergonhosa; a estrutura está sucateada, estamos em pleno Outubro Rosa e a Unacon não possui mamógrafo nem medicamentos; na realidade, não tem nada”.

Bola da vez



Feijão, deputado federal por 3 mandatos consecutivos, abre sorriso de orelha a orelha quando indagado se vai mesmo arriscar voo solo para a sucessão municipal em Macapá. 
Sem dizer se sim ou não, recorre ao adágio popular: — “O futuro pertence a Deus”.

Punição



Por maus feitos quando prefeito de Oiapoque, Manoel Alício terá de devolver R$ 1,4 mi à União e pagar multa de R$ 20 mil. 
Outro réu na ação, o também ex-prefeito Milton Rodrigues, livrou-se da punição porque já partiu para o andar de cima.

Pendenga



Michel JK bate o pé: não desiste da nomeação para o TCE, mesmo alvo de artilharia pesada do MP-AP, que quer porque quer impedir que o parlamentar chegue à vitaliciedade.

Nada a ver



Da juíza Lívia Cristina, ao anular punição a policial federal que rejeitou cumprimento a um delegado, em Macapá: 
“Servidor que apenas se recusa a dar ‘bom dia’, sem agir de forma ofensiva, não pode ser punido disciplinarmente com advertência por falta de urbanidade”.

Semântica



Está causando muita polêmica projeto aprovado na CVM, da paternidade de Eddy Clay: bloco carnavalesco ‘Da I Comi’ agora é entidade de utilidade pública. 
Nomenclatura tem algo a ver com a mineradora, que tenta ressurgir das cinzas, como Phênix? 
Sei, não …