Sob protesto



 

Contrato de R$ 13 milhões, do governo com a LMS, por serviços de vigilância, tem caráter emergencial e vai de abril a setembro —6 meses, justifica o Setentrião.
Penduradas nas redes, oposições fizeram o escambau com aquilo, enxergando ilicitude no ato, pela ausência de licitação pública.