Paternalismo



Na valiação do IBGE, aqui, acima de 40% do PIB do Amapá ainda depende do poder público —leia-se, governo estadual, principalmente. Mas já com avanços na iniciativa privada.