Legalidade



Sei, não, mas pelo que a coluna ouviu de Ruben Bemerguy, Kaká acaba emplacando mandato 17/19 na Alap, pela legitimidade da eleição, “irrefutável em qualquer circunstância”, no argumento do advogado, apesar de revezes recentes pela caneta do juiz Luciano Assis.