Vigilância



“Infelizmente uma catástrofe, mas coisa de Brasil, onde museus precisam ter vigilância constante de todos os setores, em especial do Corpo de Bombeiros e do próprio museu, porque tudo pode ocorrer e causar uma tragédia desse porte, como um curto circuito ou mesmo um raio”.
Nilson Montoril, historiador