Diz mais Flávia, revoltada:



“Temos que suportar a dor da dúvida se meu pai está vivo, se está morto, se está com frio, fome e sede; mas infelizmente a gente vai ter que esperar, isso é Brasil mesmo!”.