Religiosamente



Confesso: não sou mais aquele católico fervoroso, dos tempos de ‘coroinha’ na Igreja da Conceição, no Trem.
Mas o ‘Pai Nosso’ continua sendo a minha oração de cabeceira, no dormir e ao acordar.