Atraso



Para a promotora Andréa, a política eleitoral do Amapá é provinciana, por compra de votos, favorecimento a candidatos e, inclusive, até interferência governamental no processo.