Extensão



“Uma vez detectada essa circunstância em qualquer reeducando, a medida deve ser adotada. Nós do Ministério Público defendemos a incolumidade do reeducando, quer ele tenha posses ou não. Que todos sejam olhados de maneira igual”.
Nicolau Crispino, procurador de justiça