Avanços



“No meu tempo de criança, pessoas cegas pra sobreviver tinham que pedir esmola, tocar uma violinha, declamar poesia na porta de igrejas… E botando dadas de bom coração no chapéu ou na cuia…”.
Antônio Carlos, professor