Negativas



Vilarinho, que dirigiu o Dnit no Amapá e desde junho preso acusado de recebimento de propina para liberar obras em estradas, teve pedido de liberdade negado.

No esperneio, ainda solicitou prisão domiciliar, também negada.